Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Voo da Garça

Sonhos, desejos, opiniões, instantes da vida diária...

O Voo da Garça

Sonhos, desejos, opiniões, instantes da vida diária...

06
Dez17

Blogmas 2017 - Fantasias de chocolate

Charneca em flor

 

Para quem foi criança nos anos 80, este anúncio não é novidade. Sempre fui gulosa e gosto muito destes chocolates de Natal. Adoro aquele "crunsh" que se sente ao mordê-los. Ao crescer fui deixando de colocá-las na árvore de Natal até porque, por estranho que pareça, as memórias que tenho das fantasias de Natal estão relacionadas com o meu pai.

Nos anos 80 do século passado, esse tempo longínquo, não havia tanta fartura de chocolates durante o ano como há agora. Para além disso, também não havia muito dinheiro para esbanjar. Assim que começavam a aparecer estes no supermercado, o meu pai ia comprando a pouco e pouco. Todos os sábados comprava 2 ou 3 e ia guardando num armário até fazer a Árvore de Natal. Nessa altura lá se colocava os chocolates entre as fitas e as bolas. Os chocolates só se podiam comer depois de se desmanchar a Árvore no Dia de Reis. Obviamente que também não tinha ordem para comer os chocolates todos de uma vez. Aquelas figuras, embrulhadas em papel brilhante e colorido, eram uma tentação.

Durante anos eu fui cumprindo as regras do meu pai com muita dificuldade. Até um dia em que a gulodice falou mais alto. Não consigo precisar quando foi que me rebelei. Presumo que devia ter 9 ou 10 anos porque até aí a minha mãe não trabalhava fora de casa por isso não dava para fazer disparates. A partir dessa idade, ficava algumas horas sozinha em casa. O que é que eu me fui lembrar de fazer? O meu pai começara já a comprar as desejadas fantasias de Natal. Como dizia atrás, a gulodice falou mais alto. Achei que podia abrir um bocadinho da prata, tirar um bocadinho de chocolate e voltar a embrulhar direitinho. E foi correndo tão bem que fui ficando mais afoita e comendo bocadinhos maiores. Quando o meu pai foi fazer a árvore de Natal e pegou nas ditas fantasias é que foram elas. Já estão a imaginar as figuras estavam muito desfalcadas. A fúria do meu pai foi épica. Levei umas boas palmadas (estavamos no anos 80, relembro) e nesse ano não houve mais chocolates para a menina atrevida e gulosa. Coitado do meu pai que ficou mesmo zangado. Ainda me interrogo como é que achei que era possível passar incólume. Doce ingenuidade.

Agora, como todos os chocolates que apetecem e quando me apetece. O pior é o aumento da cintura. 

Este ano voltei a pôr chocolates na árvore de Natal e só vou "atacá-los" depois do Dia de Reis. É para me penitenciar por ter magoado o meu Pai, 30 anos depois. Palavra de Charneca.

20171206_000821.jpg

Apesar deste Pai Natal me ter estado a chamar durante todo o serão de ontem

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Desafio

Desafio

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Blogs de Portugal