Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Voo da Garça

Sonhos, desejos, opiniões, instantes da vida diária...

O Voo da Garça

Sonhos, desejos, opiniões, instantes da vida diária...

31
Dez20

O meu ano de 2020

Charneca em flor

Daqui a poucas horas termina o ano mais estranho das nossas vidas. Tantas palavras se escreveram sobre os acontecimentos tristes que se passaram ao longo destes meses mas será que o ano de 2020 não teve também bons momentos?!
Se cada um de nós procurar, dentro de si, aquilo que aprendeu e construiu ao longo de 2020 poderá chegar à conclusão de que o ano foi melhor do que se pode pensar à primeira vista.
Sendo assim passo a elencar aquilo que, para mim, 2020 teve de melhor:
Os meses de Janeiro e Fevereiro . Apesar de já se falar do novo coronavírus ainda se acreditava que não chegava à Europa. Só na última semana de Fevereiro é que os europeus perceberam que não estavam a salvo. Mas nesses meses era possível visitar familiares e amigos, ir a todo o lado livremente e fazer tudo o que nos apetecesse sem pensarmos em mais nada. Na altura do Carnaval estive no Alentejo, em casa do meu tio, a ganhar uns quilitos com a maravilhosa comida feita pela minha tia.

IMG_20200223_112159.jpg


Também em Fevereiro, no dia 1, nascia a neta da minha directora-técnica. Durante o ano de 2020 também soubemos que uma das minhas colegas vai ser avó no início de 2021. Trabalho com esta colega, assim como com a minha directora técnica, há mais de 20 anos. Sinto-as como se fossem da minha família por isso é como se eu fosse tia destes bebés. A chegada da F. e a iminente chegada do B. enchem o meu coração de alegria. As crianças enternecem o nosso coração e representam. esperança no futuro.


Com os primeiros estados de emergência, trabalhei a meio tempo. Foi assim que tive oportunidade de descobrir uma nova paixão, as plantas. E só não enchi a casa de plantas porque não conseguirei dar-lhes a atenção que merecem.

IMG_20200421_153945.jpg

Com o entusiasmo, acabei por dar mais atenção às plantas que já existiam na casa da aldeia e às quais não ligava muito. É uma alegria quando vejo as plantas a desenvolverem-se, a crescerem, a terem folhas novas. A vida tal como a conhecíamos pode parar mas a natureza não pára.

20201230_195720.jpg

Consegui ler mais do que era habitual. No meu Goodreads propus-me ler 12 livros, um por cada mês mas consegui ultrapassar essa fasquia e li cerca 16 livros (sem contar com alguns ebooks) incluindo o clássico "Os Irmãos Karamázov" de Fiodor Dostoiévski. O facto de estarmos mais em casa também contribuiu para aumentar o meu nível de leitura. As idas aos restaurantes reduziram drasticamente tal como os passeios e as viagens que fazia antes. Não fiz nenhuma viagem ao estrangeiro mas viajei muito através da literatura. Fui à Rússia, à Itália - Sicília e Nápoles, principalmente - fui aos Estados Unidos, fui a Barcelona e ao Chile. Descobri autores que nunca tinha lido como Lídia Jorge e Dulce Maria Cardoso. Continuo a ter imensos livros para ler mas ainda não sei quantos livros me vou propôr a ler em 2021.

20201230_195742.jpg

Este foi o último livro que li em 2020

 

Uma vez que a maioria das grandes deslocações foram limitadas, fiz muitas caminhadas a pé à volta da aldeia onde costumo passar os fins-de-semana. E é sempre possível descobrir novos recantos e pormenores nos quais nunca tínhamos reparado. A pandemia fez-me mais atenta.

IMG_20200501_142342.jpg

Parece um postal, não é? Mas existe mesmo


Felizmente tive oportunidade de conhecer uma região portuguesa que não conhecia graças a uma curiosa coincidência. A empresa onde trabalho adquiriu uma encantadora casinha em 2019 e foi-nos dada a oportunidade de a utilizarmos para férias. E não é que veio mesmo a calhar? Fica na zona de Castro Marim, numa aldeia perdida no meio da serra. Passei lá alguns dias no Verão e foi lá que estive nos últimos dias. Permitiu-me conhecer algumas praias desta zona do Algarve bem como algumas vilas e cidades como Alcoutim, Castro Marim ou Tavira. Nestes últimos dias também fiz várias caminhadas explorando a área circundante à aldeia.

DSC01970.JPG

Em suma, mesmo quando tudo parece desmoronar, ainda assim é possível ser feliz.

 

 

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Links

Vale a pena espreitar

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

Blogs de Portugal

Em destaque no SAPO Blogs
pub