Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Voo da Garça

Sonhos, desejos, opiniões, instantes da vida diária...

O Voo da Garça

Sonhos, desejos, opiniões, instantes da vida diária...

19
Jul19

Conversa de cabeleireira

Charneca em flor

Um dia destes fui à cabeleireira ao fim da tarde. O dono do salão comentava sobre a preparação do casamento da filha. E foi-se falando de casamentos. Como as conversas são como as cerejas, a pessoa que me estava a arranjar o cabelo contou-me que se tinha separado recentemente. Não sei porque é que ela começou a fazer confidências porque até nem nos conhecemos assim tão bem. Começou a falar de um "amigo" muito íntimo que é casado. Nunca fui a outra e tenho muita dificuldade em aceitar estas situações. A Raquel* está convencida que o tal amigo, casado há 20 anos, não se dá bem com a mulher há muito tempo mas que não se separa por causa da estabilidade do filho... que tem 19 anos. Raquel, Raquel como é que caiste nessa história? Isso é uma desculpa clássica de um fulano que quer dar umas voltinhas contigo e que não tem a mínima intenção da mulher. Como é que uma mulher ainda cai nesta cantiga do bandido?! Como é que podes acreditar que o homem não se separa por causa de um filho de 19 anos?! 

Mara-clipe-1.bmp

Nunca conseguirei entender como é que há mulheres que se sujeitam a estas situações. A ser a outra, a amante, o vértice de um triângulo amoroso Qual é o interesse? Há alguém que me explique?

*nome fictício

13
Fev19

As mulheres em Portugal, hoje

Charneca em flor

capture3.jpg

Ontem decorreu uma  conferência da Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS) na Aula Magna. Essa ocasião serviu para apresentar o estudo "As mulheres em Portugal, hoje". Este estudo esteve a cargo da espanhola Laura Sagnier que já tinha feito um estudo similar em Espanha. A investigação pretendeu saber " quem são, o que pensam e como se sentem as mulheres em Portugal". Participaram no estudo 2428 mulheres com idades entre os 18 e os 64 anos utilizadoras regulares da internet. Os inquéritos foram feitos pela internet e as perguntas foram relacionadas com as relações interpessoais com os companheiro/as, filhos, família de origem e amigos, a etapa da vida em que se encontram, o trabalho pago e não pago bem como o grau de felicidade com as várias facetas da vida. A FFMS disponibilizou o estudo bem como um resumo, de forma gratuita, aqui.

Vários meios de comunicação citaram o estudo e foi isso que me levou a procurá-lo. Não consegui ler tudo mas é possível tirar conclusões interessantes. Por exemplo, 33% das mulheres sentem-se infelizes. Daquelas que se dizem felizes destacam as relações interpessoais como fonte de felicidade. No entanto, o companheiro aparece em 5o lugar de importância depois dos filhos, dos netos, dos amigos e das amigas. 71% das mulheres dizem sempre ou quase sempre cansadas. 56% tomam, ou já tomaram, ansiolíticos. 

Voltando às relações com os companheiros/ as, os aspectos que fazem as mulheres sentirem-se felizes na relação são: "que ele «participe de forma activa nas tarefas domésticas», que ele «a oiça», que ele «lhe dedique o máximo de tempo possível» e que ele seja «carinhoso e atencioso»".

Das mulheres que têm companheiro 7% sentem-se profundamente infelizes e 20% sentem-se enganadas com a relação.

Apenas 31% das mulheres estão felizes com o seu trabalho pago. 

Na leitura rápida que fiz surgiu-me uma pergunta: "E eu como me sinto em relação às várias facetas da vida? Estou feliz ou nem por isso?"

A resposta é sim. No geral, sinto-me feliz. É impossível sermos 100% felizes. A vida ensinou a aceitar que há sonhos que nunca se irão realizar e a não ficar infeliz com isso. Também aprendi que devemos dar valor ao que temos e aproveitar todos os momentos felizes por mais insignificantes que possam parecer.

 

05
Fev19

A dura realidace da violência doméstica

Charneca em flor

image_content_1390866_20180327151506.jpg

 

O ano ainda só vai no 2o mês e já se contam 9 mulheres assassinadas num contexto de violência doméstica. Ontem um homem matou a sogra e fugiu com a filha de 2 anos. Hoje foi encontrado o corpo da criança na mala do carro do agressor que se suicidou. Mesmo que só tivesse morrido uma única mulher já não era admissível, quanto mais nove em pouco mais de um mês. Infelizmente, ainda há muito por fazer neste âmbito. Quantas vezes as mulheres fazem queixa retirando-a depois porque os agressores mostram arrependimento? Quantas vezes as queixas demoram demasiado tempo a serem encaminhadas? Quantas famílias são sinalizadas mas depois os processos não têm seguimento? Para além dos casos em que as mulheres são assassinadas, há casos em que as mulheres não aguentam e se suicidam ou desenvolvem graves doenças psiquiátricas o que também constituí uma forma de morte. Há que mudar as mentalidades e isso tem que começar na infância e na adolescência. E, embora seja uma responsabilidade de toda a sociedade, as autoridades policiais, judiciais, os deputados e os membros dos governos têm responsabilidade acrescida. Deveriam fazer uma auto-análise e perceber se estão a fazer tudo o que é possível nesta área.

03
Fev18

Iranianas sem hijad

Charneca em flor

mw-860.jpeg

 

Arriscando-se a serem presas, as mulheres iranianas têm protestado contra o uso do hijad (o lenço com que cobrem a cabeça). Desafiam as autoridades, retirando o lenço fazendo ondular como uma bandeira de paz. Depois deixam-se fotografar e as suas imagens tornam-se virais nas redes sociais. Há homens solidários com este protesto que se fotografam usando hijad's. Admiro e celebro a coragem destas mulheres que lutam contra um regime opressor e que lutam pela igualdade de direitos. Infelizmente, o regime já prendeu cerca de 29 mulheres mas mesmo assim não desistem. Força e que tenham força para continuar sem baixar os braços. Para elas, vai o meu aceno embora sem lenço.

01
Fev18

Parabéns à Fórmula 1

Charneca em flor

Ontem quando voltava para casa, vinha a ouvir a TSF. Estava a dar notícias de desporto e eu fiquei a ouvir porque queria ouvir melhor esta notícia. Ao que parece, a organização da  Fórmula 1 decidiu acabar com esta imagens

transferir.jpeg

image.jpeg

lucy_pinder_michelle_marsh_race_3_big.jpg

Ou seja, as jovens modelos, normalmente com pouca roupa, que costumam aparecer em várias etapas destas corridas como seja a partida ou o pódio ou simplesmente a desfilar pelo recinto vão deixar de aparecer. O início da presença de modelos femininos no desporto automobilístico deveu-se a campanhas publicitárias e, ao longo dos anos, tornou-se tradição. Tendo em conta a indumentária habitual, a imagem transmitida é extremamente sexista. Não vejo qualqer motivo para aquelas modelos andarem por ali a não ser chamar a atenção dos espectadores masculinos. 

Esta decisão de acabar com este costume é de louvar. Não se pode continuar compactuar com esta utilização da mulher como um mero objecto decorativo. Os meus parabéns a quem tomou esta decisão.

 

 

 

26
Out17

Jowaé, os cuidados que vieram da Coreia

Charneca em flor

Ontem fui a uma formação sobre a nova marca de dermocosmética, JOWAÉ. Resoltou de uma investigação franco-coreana com a intenção de adaptar os cuidados de beleza coreanos, que têm  cerca de 12 a 15 passos e demoram cerca de 1h30m diária, ao estilo de vida europeu. Os produtos têm, em média, 93% de ingredientes de origem natural. As texturas são muito leves e essa é uma das exigências das coreanas já que elas aplicam os produtos em multicamada. A verdade é que as coreanas, e as orientais em geral, têm quase sempre uma pele maravilhosa. Naturalmente que a genética também ajuda mas se pudermos usufruir dos seus segredos...

Os inúmeros oassos dos cuidados coreanos foram reduzidos a 4: limpar, preparar, activar e corrigir. Os 3 primeiros passos são idênticos para todas as pessoas mas os cuidados de correcção são adaptados a cada necessidade.

Outro dos objectivos da JOWAÉ é que a pele reencontre a sua luminosidade natural e a sua harmonia. De resto, o nome da marca significa harmonia em coreano. Outra preocupação foi desenvolver produtos eficazes mas respeitadores da natureza. Cada vez, as mulheres, e os homens, se preocupam em cuidar da pele e da saúde mas não a todo o preço. Felizmente, o respeito pela natureza é cada vez maior (se nos esquecermos de Trump e os seus amigos, claro).

Adorei a linha. Os aromas são fantásticos e as texturas são deliciosas. Tenho que me segurar para não chegar à farmácia e comprar os produtos todos mas já tentei adaptar um pouco do ritual coreano aos produtos que ainda tenho em stock. Apliquei os meus produtos com calma e com gestos leves. Resultado, o dia começou mais tranquilo e ainda tive tempo para vir escrever este post.

20171014_142558.jpg

 

 

14
Ago17

Parabéns, Inês

Charneca em flor

transferir.jpg

Imagem DN

Para provar que nem só de futebol vive o desporto português, ontem a atleta portuguesa, Inês Henriques, ganhou a medalha de ouro dos 50 km da Marcha nos Mundiais de Atletismo. Esta vitória é ainda mais especial porque foi a primeira vez que as mulheres puderam competir nesta prova. Não se pode dizer que a competição fosse muito renhida. Eram apenas 7 mulheres e fizeram a prova ao mesmo tempo que os atletas masculinos. Imfelizmente 3 das atletas não conseguiram chegar ao fim. A Marcha é um desporto muito engraçado, temos dificuldade em perceber se os atletas andam rapidamente ou se correm de uma maneira esquisita. Inês Henriques completou a prova em 4h05m56s.

Seja como for, muitos parabéns à atleta de Rio Maior. Esperemos que apareçam mais mulheres a disputar esta prova para que se torne mais interessante e competitiva.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Blogs de Portugal